-->

Leia antes de iniciar a a leitura no Orquídeas Sem Mistério!

Tutorial do Blog Orquídeas Sem Mistério.

Olá Pessoal!! Estou agora atualizando o Tutorial deste blog, uma vez que ocorreram algumas mudanças em sua funcionalidade tornando o mais pr...

sábado, 3 de março de 2018

O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Outros gêneros relacionados

Olá Pessoal!! Estamos agora na última postagem sobre o grupo das Cattleyas, será uma postagem mais superficial, porém importante, pois falaremos de alguns gêneros relacionados ao grupo das Cattleyas. Vamos então para última parte dessa jornada?! Acompanhem algumas fotos:



Para acessar a postagem anterior clique aqui:























Então gostaram??

Vamos então começar falando dos Leptotes:
Leptotes pessoal é um pequeno gênero relacionado com Cattleyas. São plantas mais para microrquídeas e de fácil cultivo. São plantinhas pequenas, de folhas teretes que até lembra um pouco as Brassavolas, mas suas flores são totalmente diferentes. São flores pequenas, geralmente coloridas com sépalas e pétalas jogadas para frente. As plantas costumam dar poucas flores por haste, porém quando bem entouceiradas formam belos conjuntos floridos, dignas de serem cultivadas. Seu cultivo é em geral bem tranquilo, preferem ambiente com luz filtrada intermediária e boa umidade ambiente, mas preferem ser cultivadas em placas ou toquinhos e seus cuidados são bem simples e em relação a adubação seguem as mesmas recomendações de outros grupos. Embora elas se relacionem com as Cattleyas, na prática quase não existem híbridos registrados entre esses dois gêneros.



Fonte: Google imagens

Fonte: Google Imagens

Fonte: Google Imagens
Vamos agora falar rapidamente das Isabelias:

As Isabelias são outro pequeno gênero de plantas micro, que em geral apreciam ambientes mais frios ou amenos e úmidos. São plantas bem lindinhas, de fácil cultivo e que ocupam quase nada de espaço, mas que preferem ambientes de clima ameno, mais úmidos e sombreado. Podem ser cultivadas tanto em placas com ou sem sfagnum ou vasinhos com substrato que segure mais umidade. São muito bonitinhas e quando florescem formam belos conjuntos e embora se relacionem com Cattleyas também não se encontram híbridos entre esses dois gêneros.

Isabelia virginalis fonte da foto: Google imagens

Isabelia virginalis fonte da foto: Google imagens

Isabelia virginalis fonte da foto: Google imagens

Isabelia violacea fonte da foto: Google imagens

Isabelia pulchella fonte da foto: Google imagens
O próximo gênero a falar será o das Rhyncolaelias:

As espécies desse gênero eram então classificadas como Brassavolas, porém as plantas e suas flores de fato se diferenciavam bastante das demais Brassavolas e então essas 2 espécies(glauca e digbyana) foram passadas para o gênero Rhyncholaelia. Embora seja um gênero bem pequeno ele é de extrema importância para a hibridação, entrando em muitos cruzamentos importantes no grupo das Cattleyas, como as BLC(RLC), BL(RL), dentre outros, assunto esse que será abordado em outra matéria só sobre hibridação.
As Rhyncholaelias possuem um vegetal que lembra muito uma Laelia do grupo das pumilas ou mesmo uma pequena Cattleyas e suas flores também São bem parecidas com flores de Cattleyas sendo bem cerosas, labelo grande e pétalas e sépalas relativamente mais largos, porém sem coloração, indicando ser também uma flor noturna. a Rhyncholaelia digbyana ainda é mais interessante, pois seu labelo é todo franjado e essa característica da aos híbridos o franjado tão bonito de vários labelos e assim como as Brassavolas essas plantas recebem as cores e padrões de coloridos das Cattleyas e outros gêneros com bastante intensidade, formando belos híbridos.

Quanto ao cultivo são plantas meio lentas. Eu até hoje não tive muito êxito no meu ambiente, pois as Rhyncholaelias glauca que tenho só vegetam, mas não crescem muito. Elas são plantas que preferem climas mais amenos, principalmente a digbyana e podem ser cultivadas tanto em vasos, cachepôs ou toquinhos de madeira, mas não gostam de ficar com as raízes molhadas e apreciam boa luminosidade.

Rhyncholaelia glauca

Rhyncholaelia digbyana Fonte da foto: Google imagens
lindas não são??

Vamos agora falar do gênero Epidendrum:

O Gênero Epidendrum engloba muitas espécies e muitas foram desmembrada para outros gêneros, porém para a postagem será considerado apenas como Epidendrum para facilitar o primeiro acesso das pessoas.
Este é um gênero muito interessante e muito diversificado, quanto na forma do vegetal das espécies, quanto no habitat que elas ocorrem.
Quando pensamos em Epidendruns vamos colocar na cabeça a forma que lembra um Dendrobium, com pseudobulbos caneludos, finos e com várias folhas, porém, diferente de Dendrobiuns em geral suas folhas são mais grossas e suas hastes são longas e terminais com cachos compactos na ponta e o mais interessante é que após a floração dessas longas hastes é normal a emissão dos keikes e não para por aí. Os keikes, que são filhotes que podem ser destacados e plantados individualmente quando já bem desenvolvidos e enraizados costumam emitir hastes florais na própria planta mãe quando não arrancados e se mantidos podem formar uma rede de keikes.
Nem todos os Epidendruns possuem essa forma dendrobizada e muitos até lembram um pouco uma Catteya ou Encyclia. Outros parecem outro tipo de planta, como o Epidendrum filiforme e muitos são gigantescos, já outros são minúsculos. Em relação ao colorido muitos são bem coloridos e suas flores sempre são pequenas e muitas vezes com cachos numerosos, mas existe alguns em que as flores são noturnas bem perfumadas a noite e não apresentam colorido, como o Epidendrum noturnum, por exemplo.

Em relação ao cultivo se têm de tudo um pouco. Desde plantas muito fáceis e rústicas para o cultivo, até plantas extremamente exigentes e complicadas de cultivar. Em geral os Epidendruns do grupo mais clássico que são aqueles de porte médio a alto com forma dendrobizada e bem coloridos tendem a ser mais fáceis de cultivo, aguentando até o sol pleno e o cultivo de forma terrestre, não é atoa é uma planta indicada para jardins, principalmente os locais de clima mais ameno. Já outros Epidendruns, principalmente alguns dos pequeninos e mesmo alguns grandes são bem chatinhos de cultivo e exigem maiores cuidados e são mais exigentes quanto ao seu ambiente de cultivo.

Quanto a adubação segue a mesma linha das demais orquídeas e como muitos são cultivados como terrestres ou com sobra de substrato a adubação orgânica é muito interessante.

Epidendruns estão presentes em várias coleções e mesmo sendo muitas vezes plantas de bordaduras, de importância secundária pelos colecionadores estão sempre ali e sempre floridas e enfeitando suas casas e quintais. Aliais, muitos florescem quase que o ano inteiro!!

Em relação a híbridos existem alguns híbridos muito bonitos entre Epidendruns e intergenéricos também. Quem não conhece a famosa Epicattleya Rene Marques, planta belíssima resultado do cruzamento entre Cattleya Claesiana* x Epidendrum pseudoepidendrum e a Graciosa Epiphronitis  Veitchii?!




















Epiphronitis Veitchii fonte foto: Google imagens

Epicattleya Rene Marques Fonte da imagem: Google imagens
Vamos agora dar uma pequena pausa, descansar alguns minutos e então vamos retomar a leitura para falar das Encyclias vamos la?!

Em fim, as Encyclias são a elegância em forma de orquídea, digo isso pois este é um gênero em que suas plantas possuem folhas carnosas, cumpridas lanceoladas e arqueadas, além de seus pseudobulbos tenderem a ter formas de gota(coxinha), ou mais arredondados ou ovalados e mais fusiformes e a disposição das palhas em seu pseudobulbos, seu brilho e suas cores formam um conjunto super elegante, sem contar o abundante enraizamento e suas hastes florais, muitas vezes longas e com muitas flores, coloridas e perfumadas e que possuem longa durabilidade. As Encyclias são algo muito especial e um gênero muito importante entre os orquidófilos. Eu particularmente adoro essas plantas!!

Quanto ao cultivo as Encyclias de modo geral são bem tranquilas e apreciam ambientes bem iluminados com boa umidade, mas sempre bem ventilados, tanto que são melhor cultivadas nos acoplados e tocos. Enraizam com muita abundância e boa parte prefere os climas de ameno a quente.
Quanto aos demais cuidados como adubação e outros cuidados seguem as mesmas dicas das Cattleyas e demais orquídeas.

Quanto a hibridação Elas eram não eram tão usadas, porém nos últimos anos aumentou muito o número de de híbridos de Encyclias com Cattleyas e outros gêneros afins e lhes falo, são híbridos belíssimos, pois as plantas tendem a mesclarem bem e possuir um porte vegetativo mediano puxando para a Encyclia e e suas flores ficam um belo mesclado pegando o colorido das Cattleyas e puxando a forma das Encyclias, o número de flores também varia bastante, mas geralmente ficam com hastes multiflorais ou número mediano de flores.













Catyclia Purple Glory fonte imagem: Google imagens

Catyclia atrowalker Fonte imagem: google imagens

Catyclia atrowalker Fonte imagem: google imagens
E aí gostaram das Encyclias??! Deixei o melhor para o final, aliais, que final!!

Vamos agora finalizar nossa jornada com as queridas e belas Sophronitis, isso mesmo as Sophronitis!!!

Em fim pessoal, aqui vai um Gênero belíssimo, porém complicado de cultivo, pois as Sophronitis são plantas que na grande maioria são de regiões de altitude onde é frio e ameno e muito úmido e justamente por isso é inviável seu cultivo nas regiões baixas ou de clima quente na maior parte do Brasil, o que é uma pena, pois são plantas belíssimas!!

As espécies de Sophronitis são todas vermelhas ou alaranjadas e podem existir variedades amareladas ou cor creme, que são raras e caras! A Sophronitis cernua é a excessão a regra do frio, pois é a única que ocorre em locais quentes até ao nível do mar, sendo a única que dá para cultivar em quase todas as regiões, desde que se dê umidade para ela.

As Sophronitis são plantinhas de pequeno porte, unifoliada geralmente e flores grandes, se comparado com o tamanho da planta. São plantas  que apreciam locais muito úmidos, com ventilação moderada, nevoeiro e temperaturas amenas a baixas, com excessão da cernua que aceita o calor também, mas sempre com boa umidade. Podem ser cultivadas em vasos, mas apreciam mais o cultivo em placas, toquinhos, acoplados ou cachepôs. São plantas que quando possuem um ambiente adequado se tornam até fáceis de cultivar, mas quando não, são extremamente difíceis e dificilmente se adaptam, morrendo em pouco tempo de cultivo. Os demais cuidados são semelhante às Cattleyas e outras orquídeas e apreciam boa luminosidade.

Quanto a hibridação são bastante utilizadas devido sua bela forma, porte baixo e coloração avermelhada, que muitas vezes é transmitida a seus híbridos.








São belíssimas não são??! Quando vamos nas exposições e nos deparamos com essas belezas queremos logo ter algumas dessas, mas é uma pena que elas tem essas grandes dificuldades, uma verdadeira pena. Eu mesmo só consigo ter a cernua no meu ambiente que é muito quente na maior parte do ano e é isso, paciência, mas sempre que posso as admiro muito!

Em fim, é isso pessoal!! Acabamos nossa viagem pelo grupo das Cattleyas, mas o assunto está longe de está encerrado e sempre que for o caso mais temas referente a elas será abordado aqui. Muitos gêneros, como as Pseudolaelias, Schonburgkias e outros gêneros poderão ser abordados mais para frente, assim que eu também tiver condições de o fazer, mas por agora é isso pessoal!! Espero que tenham gostado e agora deixarei o vídeo explicativo sobre esses outros gêneros e vários links de interesse para aprofundarem mais o conhecimento sobre o grupo das Cattleyas, seu cultivo e os demais gêneros. Forte abraço a todos. Um excelente cultivo e até a próxima em Plantas e Orquídeas Sem Mistério!!!! Fui!!!


Todas as postagens sobre o grupo das Cattleyas:

1 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: introdução;
2 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Morfologia externa;
3 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Classificações das Cattleyas:
4 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Caracterização dos grupos de Cattleyas:
5 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Aspectos gerais sobre o cultivo:
6 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Laelias:
7 – O grupo Cattleya – A verdadeira orquídea: Brassavolas, estreladas e magníficas.


Links de interesse e consulta:

Cattleyas e Laelias

Cattleya Site da Delfina

As Principais espécies de Cattleyas

Filogenia das Cattleyas

O gênero Cattleya Lindl. (Orchidaceae: Laeliinae) no Rio Grande do Sul, Brasil

Cattleyas e suas espécies

A Cattleya Bifoliada – Serra do Cadeado-PR

Cattleya labiata

Cattleya labiata variedades

Cattleya labiata Lindley 1821 CLASSIFICAÇÃO CROMÁTICA DA FLOR E CONFIGURACIONAL DO MULTIFORMISMO DE SEU LABELO

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cattleya_labiata

Cattleya intermedia

Cattleya intermedia proposta de classificação das variedades

CATTLEYA WALKERIANA É UMA ORQUÍDEA ORIGINÁRIA DO BRASIL

CATTLEYA WALKERIANA

Época de floração de Cattleyas e outras espécies

época de floração.

Padrão de enraizamento de pseudobulbos das Cattleyas

Laelia purpurata Lindley

O Gênero Laelia

Laelia e outros Gêneros

Laelia lobata

Laelia purpurata

BRASSAVOLAS, ENCYCLIAS E HÍBRIDOS INTERGENÉRICOS SU CULTIVO DESDE IN VITRO A FLORACIÓN

Brassavola Orchids

Hybridizing with Brassavola nodosa

SEED DISPERSAL CHARACTERISTICS OF BRASSAVOLA NODOSA (ORCHIDACEAE)1

Brassavolas e suas espécies

Brassavola

Gênero Brassavola da Família das Orquídeas

Brassavola

Leptotes

Isabelia

Rhyncholaelia

Epidendrum

Encyclia

O Gênero Sophronitis

Sophronitis

2 comentários:

  1. Oi Andrew, eu tentei entrar em contato com você pelo facebook mas não consegui.

    E sobre este post ele contém muitas coisas que eu não sabia, na verdade, o que são gêneros relacionados? Seria algo como as phalaenopsis e as orquídeas Kingidium?

    Eu também tenho um site sobre orquídeas, na verdade eu fiz um artigo sobre as cattleyas onde pesquisei muito sobre o assunto.

    https://orquideasblog.com/orquideas-cattleya/

    Se você o achar relevante, eu ficaria muito grato se o adicionasse aos links de interesse e consulta, mas se não quiser, poderia me dar a sua opinião sobre o que posso melhorar no artigo?

    Os seus conteúdos sempre são de grande inspiração para mim e a sua opinião seria muito valiosa.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thiago Obrigado pelo comentário. Irei ler sim sua matéria e posso linkar ela aqui sim.

      Quanto a gêneros relacionados ou gêneros afins são aqueles que possuem proximidade genética e por causa disso formam híbridos entre si. Geralmente são gêneros pertencentes a mesma subtribo, que no caso das Cattleyas são os gêneros da sub tribo Laelinae, que englobam as Cattleyas, Laelias, Brassavolas, Epidendruns, Encyclias e outras.

      Excluir