-->

Leia antes de iniciar a a leitura no Orquídeas Sem Mistério!

Tutorial do Blog Orquídeas Sem Mistério.

Olá Pessoal!! Estou agora atualizando o Tutorial deste blog, uma vez que ocorreram algumas mudanças em sua funcionalidade tornando o mais pr...

domingo, 23 de abril de 2017

Microambientes e microclimas – Princípio da setorização:

Olá Pessoal!! Estou aqui novamente para dar continuidade ao assunto da postagem anterior, que foi sobre umidade relativa do ar e seu comportamento e importância. Postagem que é pré-requisito para melhor entendimento desta outra aqui que é sobre microambientes e microclimas.

Pois bem pessoal observem essas fotos aqui:






























Então pessoal observaram? Notem que vocês veem vários locais com plantas. Locais distintos, cada um com suas características e suas peculiaridades. Nem todos os locais nestas fotos estão com orquídeas, mas o que quero lhes mostrar é que cada local é um microambiente dentro do mesmo quintal ou não e cada local é único e é tratado independentemente do outro, mas no caso de ambientes próximos um pode influenciar no outro e vice versa.

Bom pessoal isso são os famosos microambientes com seus respectivos microclimas e a definição de microambiente é exatamente isso: é um determinado local dentro de outro local que possui características e microclima próprio que o diferencia do local ao lado e ao redor e esse microambiente pode ser artificial, como um cômodo da casa com sua ventilação, sua umidade relativa e temperatura média e sua luminosidade ou microambientes naturais, como um trecho de mata mais baixo que outros e que possui uma nascente que mantém um microclima mais úmido e abafado que o entorno ou mesmo aquele poço de manilha desativado em seu quintal que acumula muita umidade que passa para o solo e assim cria um ambiente propício para surgimento de muitas plantas de umidade alta que por sua vez jogam muita umidade para o ar pela evapotranspiração e assim criando aquele microclima que torna aquele local único, ou que tal em baixo da copa de uma árvore onde tem-se um ambiente de luz filtrada e mais umidade devido a copa da árvore que libera umidade e a segura ali, em fim..., todos são exemplos de microambientes com seus respectivos microclimas. Interessante não é pessoal? Sim é muito bacana mesmo gente e de extrema aplicação prática.

Então galera uma vez que já definimos o que são esses microlocais vamos agora entender mais a fundo como cada um funciona e assim passar para a aplicação prática deste assunto.

Cada microambiente é único e mesmo dentro dele podemos encontrar áreas com características próprias que as diferenciam do seu arredor e se formos mais a fundo podemos subdividir esses ambientes quantas vezes quisermos até chegar a níveis microscópicos, mas não vem ao caso essa subdivisão tão rebuscada. Podemos parar em algo que nossos olhos podem ver e nosso corpo sentir com tranquilidade e que caibam algumas plantas, pois afinal aqui o que queremos é que todos tenham um cultivo de orquídeas satisfatório certo galera? Pois bem, vamos destrinchar as características de um dado microambiente para que fique bem claro essa ideia e assim vocês possam ter mais êxito no cultivo de orquídeas e outras plantas. Vamos usar minha varanda como exemplo. Vejam as fotos:



Notem que neste ambiente a luz entra de forma lateral, diferentemente do orquidário que a luz entra por todos os lados por igual e filtrada por tela de sombreamento(sombrite), sendo que as extremidades deste local são mais claras e conforme se move em direção ao centro a luz vai diminuindo e em relação a umidade por ser um ambiente artificial de concreto com revestimento de cerâmica e tinta a umidade tende a oscilar muito com picos de baixa bem forte, mas devido ao entorno ter muito verde acaba que o predomínio é de umidade alta, mas mesmo assim, por ser um ambiente de chão, paredes e teto mais impermeáveis a umidade possui comportamento semelhante a da luz entrando pelas laterais e se espalhando por todo ambiente, , mas também sendo facilmente levada embora pela ventilação quando mais intensa no meio da tarde. Quanto a temperatura é um local que esquenta bastante e também esfria bem, mas sem exageros graças a boa ventilação a ao pé direito(altura) alto da construção. Em fim, essas São as Características desse local que são diferentes das Características do orquidário, ou do poço abandonado ou de qualquer outro ponto do quintal que tenho.

Vamos agora a um segundo exemplo: Vejam as fotos:








Neste orquidário pessoal, que inclusive será reformado se Deus quiser, é um microambiente que possui entrada de luz por todos os lados o que o torna um ambiente bem mais iluminado necessitando da tela de sombreamento e do plástico agrícola para proteger da chuva e por ele está em um local estreito possui uma ventilação muito boa, por vezes mais intensa, mas por possuir um chão preparado para este fim de cultivo a umidade em geral é alta podendo até ter uns picos de baixa, mas que aumenta rapidamente, até pelo fato de possuir um sistema de nebulização para aumentar a umidade e regar as plantas quando necessário e quanto a temperatura ele esfria e esquenta mais do que o primeiro ambiente citado, mas costuma ter uma temperatura mais equilibrada ao longo do tempo o que o faz único dentro do quintal. Agora pessoal vocês notem que neste orquidário possuo varais, possuo plantas próxima ao muro e na lateral da bancada próxima ao chão e se notar as plantas da bancada ou do varais são diferentes das plantas que estão na lateral da bancada próxima ao chão ou na lateral do muro. Pois bem pessoal, com as observações fui percebendo que a umidade e a luminosidade se comportavam de modo diferente dentro desse local, sendo que próximo ao chão ou ao muro a umidade e o sombreamento eram maiores e nos varais ou na bancada a luminosidade e umidade eram menores ou oscilavam mais. Com isso pude subdividir esse orquidário de forma intuitiva em sub espaços ou novos microambientes onde coloquei de acordo com as observações e necessidades das plantas as que melhor ficariam nesses locais. Concluindo o raciocínio dentro desse microambiente do orquidário pude dividir em novos microambientes, uma vez que existiam diferenças gritantes do microclima que favoreciam ou desfavoreciam certas plantas e assim pude ir distribuindo melhor elas dentro. Vejam agora alguns desses microlocais:

Bancada local bem iluminado umidade varia um bocado

local na lateral da bancada próximo ao chão Mais umidade e menor luminosidade bom para micros

Varais alto mais luminosidade, maior oscilação de temperatura e umidade bom para walkerianas

Lateral do muro bastante umidade acumulada no muro e luminosidade moderada
Esta foto mostra o centro bem iluminado onde fica o varal principal e a lateral da bancada onde é mais úmida e sombreada e a lateral do muro onde é mais úmido e sombreado.

Em fim pessoal gostaram dos exemplos? Os ambientes tão meio feios, precisando de reforma, mas o que quero mostrar é as características deles que fui observando ao longo do tempo e que com isso pude ir ajustando meu cultivo que por sinal é uma rotina sem fim, pois os ambientes são dinâmicos e vão se modificando ao longo do tempo. Cabe a nós estar atento a essas mudanças e fazer as devidas correções sempre que necessário.

E por falar em mudanças galera um ambiente recém formado vai ser diferente de um ambiente estabelecido, ou seja, quando fazemos um orquidário novo com chão bonito tudo direitinho ele no início será mais seco, mais morto com variações maiores de temperatura e umidade e conforme o tempo passa e ele vai se estabilizando vamos ter musgos nas partes úmidas, mato se não controlado, algas e liquens com o tempo e essa maturidade do ambiente trará mudanças no seu microclima também, pois estruturas que antes eram limpas, lisas e mais claras passaram a ser rugosas, sujas e mais escuras e fatalmente terão o crescimento de limo que abrirá porta para outros organismos crescerem e assim juntando mais umidade e absorvendo mais luz, em fim só expliquei isso para mostrar que os microambientes são dinâmicos e nossos cuidados também devem ser para evitar ele o melhor possível para nossas plantas.

Sabendo disso galera e sabendo observar cada ambiente agora vocês saberão suas características e o que os influenciam a ser daquele jeito e com boa criatividade vocês vão saber modificar de modo a ter um ambiente que seja o mais adequado para o cultivo de suas plantas ou então saber escolher aquele microambiente que seja mais adequado para elas.

Vejam agora aqui alguns exemplos de ajustes de ambiente que podem melhorar a questão da luz e da umidade:

Notem a diferença desses dois microambientes: Um possui o muro cinza envelhecido e ao nosso olhar vemos que é mais escuro e já o outro possui sua parede pintada de branco o que o torna bem mais iluminado, pois o branco reflete todas as cores e o cinza escuro absorve maior parte da luz refletindo poucas cores, ou seja, uma simples mudança na cor da parede ou do muro pode fazer grande diferença na luminosidade do ambiente.

Uso de bromélias ou plantas folhosas podem ajudar a melhorar a umidade do ambiente favorecendo as orquídeas

Viram pessoal, são medidas simples que podemos usar para ajustar e formar nossos microambientes de cultivo e assim ter um cultivo melhor e plantas mais bonitas.

Agora galera observem essa foto:


Observem esse esquema pessoal e imaginem uma situação em que vocês tem esses microambientes em seus quintais ou outros locais que podem ser alguma construção, embaixo de alguma árvore, próximo de mata, ou outro e imaginem que vocês tem uma coleção grande com plantas com necessidades diversas e o que vocês fariam???

Pois é pessoal coloquei esse esquema de ambientes com algumas características importantes pois como é comum termos essas diferenças em nossos locais para facilitar nosso cultivo podemos aplicar um princípio que conforme a coleção aumenta se torna necessário e esse é o princípio da setorização.

Setorizar significa separar as plantas por categorias e essas categorias podem ser criadas atendendo vários critérios, como por época de floração, por espécie ou gênero ou grupo e por fim por diferença de necessidades climáticas. Esse último quesito é o foco dessa postagem pois ele é o que nos faz ter um cultivo mais eficiente ao longo do tempo e claro isso não se aprende do dia para noite, mas sim com muito cultivo, muitos erros e acertos, muita busca de informação e principalmente muita observação das plantas e dos ambientes. Em fim, para aplicar o princípio é necessário que conheçamos bem nossos ambientes e as plantas que temos em mãos e sabendo bem disso aí sim podemos aplicar o princípio, claro sempre dentro do possível e respeitando as exigências de cada planta. Feito isso então é só distribuir os grupos de plantas com certas exigências climáticas naqueles ambientes que melhor atendem suas exigências, o que uma vez observado isso não é uma tarefa complicada.

Vamos a prática:

aqui pelo fato dos Catasetuns serem plantas de exigências específicas quanto a clima e a forma de cultivo eu apliquei a setorização e utilizei o ambiente da varanda, principalmente o beiral que atendeu relativamente bem suas necessidades e com o isolamento das cattleyas e outras acabou facilitando muito o cultivo e diminuindo o problema com pragas e doenças, embora ainda exista alguma coisa, o que é natural também, uma vez que o ambiente é dinâmico. 
Outro exemplo foi das Phalaenopsis e dos paphiopediluns que também foram separados no ambiente da varanda, devido eles terem formas de cultivo específicas e climas também exigindo mais sombreamento.
Outro exemplo foi das micros que ficaram pelo varal lateral em baixo da bancada ou na parte baixa no muro, onde é mais úmido e mais sombreado.
Mais um, as poucas rupícolas e plantas que necessitam de luz intensa e muita variação de umidade e temperatura foram colocadas no extremo norte da bancada do orquidário onde a luz é muito intensa e favorece seu desenvolvimento.
O varal do alto foi colocado as walkerianas uma vez que permite boa ventilação, luminosidade e oscilação de umidade o que melhorou o cultivo e as florações.
Em fim, esses são alguns exemplos de setorização que fiz além de outros que fiz e poderei fazer no futuro e que ajudaram muito no meu cultivo e creio que ajudaram no cultivo de vocês também.

Setorização dos Catasetuns

Bancadas autônomas – Setorização de plantas jovens. 

E é isso aí pessoal! Termino essa série de postagens e espero que esse assunto seja bem útil para todos e que ajude cada vez mais a todos a terem um cultivo de muito sucesso e muitas flores!! Bom cultivo a todos e até a próxima pessoal!!!!




0 comentários:

Postar um comentário